03 de August de 2017

Como se comunicar com seu filho adolescente

O DESAFIO

Quando era criança, seu filho contava tudo para você. Agora que é adolescente, ele não conta nada. Quando você tenta conversar, ele dá respostas curtas ou então começa uma discussão que transforma seu lar num campo de batalha.

Mas você pode aprender a conversar com seu filho. Primeiro, porém, veja dois fatores que podem contribuir para esse desafio.

POR QUE ACONTECE

Desejo de independência - Para se tornar um adulto responsável, seu filho precisa, por assim dizer, passar aos poucos do banco do passageiro para o do motorista e aprender a dirigir pelos caminhos tortuosos da vida. É claro que alguns adolescentes querem mais liberdade do que deveriam ter; por outro lado, alguns pais dão menos liberdade do que seus filhos poderiam ter. Isso pode resultar num cabo de guerra, causando muito estresse para os pais e para os filhos.

Pensamento abstrato - Os adolescentes não pensam como as crianças. Para as crianças, tudo é preto ou branco. Já os adolescentes começam a enxergar tons cinzas. Esse é um aspecto importante do pensamento abstrato e ajuda os adolescentes a desenvolver bom critério. Por exemplo, para uma criança, o conceito de justiça é simples: ‘Mamãe partiu um biscoito e deu metade para mim, metade para meu irmão.’ Nesse caso, justiça se resume a uma fórmula matemática. Mas, para os adolescentes, esse conceito não é tão simples assim. Afinal, tratar um assunto com justiça nem sempre significa tratá-lo com igualdade, e vice-versa. O pensamento abstrato ajuda seu filho a tirar conclusões próprias sobre assuntos complexos. Mas isso tem um lado negativo: as conclusões dele poderão ser contrárias às suas.

O QUE VOCÊ PODE FAZER

Tenha conversas descontraídas - Aproveite os momentos em que seu filho está mais à vontade para conversar. Por exemplo, alguns pais descobriram que os adolescentes se abrem mais quando estão fazendo alguma tarefa doméstica ou andando de carro, ocasiões em que estão lado a lado com os pais, não frente a frente com eles.

E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração;
E as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te.
Deuteronômio 6:6,7

Seja breve - Você não precisa dar um longo sermão para cada problema. Diga o que precisa ser dito e pare por aí. Isso poderá surtir efeito mais tarde. Quando seu filho estiver sozinho, ele terá condições de pensar melhor no que você disse. Dê a ele a chance de fazer isso. 

Provérbios de Salomão, filho de Davi, rei de Israel;
Para se conhecer a sabedoria e a instrução; para se entenderem, as palavras da prudência.
Para se receber a instrução do entendimento, a justiça, o juízo e a eqüidade;
Para dar aos simples, prudência, e aos moços, conhecimento e bom siso;
Provérbios 1:1-4

Ouça e seja flexível - Para ter uma visão completa do problema, ouça com atenção, sem interromper. Quando disser algo, seja razoável. Se você se apegar demais às regras, seu filho se sentirá tentado a procurar brechas. É aí que os filhos começam a levar uma vida dupla. Eles dizem aos pais o que os pais querem ouvir, mas fazem o que bem entendem quando estão longe deles.

Seja a vossa eqüidade notória a todos os homens. Perto está o Senhor.
Filipenses 4:5

Fique calmo - Em vez de perder a cabeça, mostre que você entende o lado do seu filho. Por exemplo, em vez de dizer “Isso não é nada!”, diga “Percebi que isso não está sendo nada fácil para você”.

Na multidão de palavras não falta pecado, mas o que modera os seus lábios é sábio.
Provérbios 10:19

Sempre que possível, dê orientação em vez de ordens - A habilidade do seu filho de pensar de forma abstrata é como um músculo que precisa ser exercitado. Então, quando ele tiver de tomar uma decisão, não faça o “exercício” por ele. Ao conversar sobre o problema, deixe que ele sugira algumas soluções. Depois, diga algo como: “Agora que você deu algumas opções, pense nelas por um ou dois dias. Depois podemos conversar sobre qual delas você prefere e por quê.”

Mas o mantimento sólido é para os perfeitos, os quais, em razão do costume, têm os sentidos exercitados para discernir tanto o bem como o mal.
Hebreus 5:14

‘Seja rápido no ouvir, vagaroso no falar, vagaroso no furor.’ Tiago 1:19
“Uma resposta, quando branda, faz recuar o furor.” Provérbios 15:1
“Não tratem os seus filhos de um jeito que faça com que eles fiquem irritados. Pelo contrário, vocês devem criá-los com a disciplina e os ensinamentos cristãos.” Efésios 6:4

PARA OS ADOLESCENTES

Você quer receber mais liberdade dos seus pais? Gostaria que eles entendessem você de verdade? Então, facilite as coisas para eles.

Como? Não tenha receio de contar o que está acontecendo em sua vida. Não esconda nada. Quando você se fecha, perde a confiança de seus pais e não tem como ganhar mais liberdade sem confiança.

Lembre-se: uma boa comunicação não depende só dos seus pais. Faça a sua parte. Conte como foi seu dia. Pergunte como foi o deles. Se for reclamar de algo, aprenda a fazer isso de modo respeitoso. Quando for adulto, você precisará saber se comunicar. Então, desenvolva essa habilidade desde já.

Notícias

107 Anos Colégio Batista Fluminense17/10/2017 -

107 Anos Colégio Batista Fluminense


Na janela do tempo16/10/2017 - Encontro literário

Na janela do tempo


Confira 10 dicas para se dar bem na prova de redação06/10/2017 - Enem: 05 e 12 de novembro:

Confira 10 dicas para se dar bem na prova de redação


Outubro Rosa02/10/2017 -

Outubro Rosa

Vídeo